Programa Farmácia Popular do Brasil: suas fases e impacto no acesso e uso de medicamentos

Resumo: 
Os principais mecanismos de provisão de medicamentos ambulatoriais no Brasil envolvem o desembolso direto em farmácias comerciais; a obtenção gratuita em unidades públicas de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), e desde 2004, o copagamento no Farmácia Popular, que opera através de uma rede pública própria de farmácias e, principalmente, através de parcerias público privada com farmácias. Apesar de 25% da população brasileira ser coberta por planos e seguros de saúde privados, poucos deles oferecem cobertura para medicamentos ambulatoriais. Assim, dados do IBGE indicam o grande peso que a aquisição dos medicamentos tem nos orçamentos familiares, especialmente nos menores estratos de renda. Esta fração também aumentou nas esferas governamentais, tendo crescido 123,9% entre 2002 e 2006, os gastos do governo federal com a aquisição de medicamentos, enquanto o crescimento dos gastos totais em saúde foi de apenas 9,6% no mesmo período. Este resumo executivo foi produzido pelo Grupo ISAUM-BR (Impact of consecutive subsidies policies on access to and use of medicines in Brazil Project) e apresentado na “1ª Oficina Nacional sobre Assistência Farmacêutica: preparando novos rumos”, que aconteceu de 8 a 10 de fevereiro de 2017; apresentado também na Reunião do CONASEMS em 24 de março de 2017, com o tema Assistência Farmacêutica. Essa reunião subsidiou uma nota informativa do CONASEMS.
Idioma: 
Fonte: 
Emmerick, Isabel C. Martins et al. Programa Farmácia Popular do Brasil: suas fases e impacto no acesso e uso de medicamentos. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP/NAF, 2017
Data de publicação: 
2017
Ano da Publicação: 
2 017