• Argentina
  • Bolivia
  • Brasil
  • Chile
  • Colombia
  • Equador
  • Guiana
  • Paraguai
  • Peru
  • Suriname
  • Uruguai
  • Venezuela

Conferência Mundial reúne chefes de Estado para debater desigualdades sociais na saúde

Por: admin Em: 21/05/2012 às 13:04:30
Português, Brasil

O Rio de Janeiro no centro do mundo. Dessa vez, para ser sede da Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde, que acontecerá de 19 a 21 de outubro e reunirá chefes de Estado de mais de 80 países para debater implicações das desigualdades sociais na saúde. Promovido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o encontro vai contar com a presença de autoridades políticas, pesquisadores e representantes de movimentos sociais de mais de 80 países.A diretora geral da OMS, Margaret Chan, destaca a importância de promover uma estratégia global para o enfrentamento das iniquidades sociais desenvolvidas pelos determinantes sociais da saúde. “As doenças crônicas não transmissíveis, que hoje constituem um desafio global à saúde, estão diretamente relacionadas aos determinantes sociais da saúde, como a forma que as pessoas vivem, seus hábitos e comportamentos. Este é um desafio que não diz respeito somente a Ministros da Saúde; é uma responsabilidade que recai sobre todos os governos e toda a sociedade”, convoca a diretora geral da OMS.Presidente de honra da Conferência, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, observa que a saúde é fundamental para a construção de um Brasil sem pobreza. “A saúde, no governo Dilma, está no centro das políticas de inclusão social e crescimento econômico do Brasil, que é o único país do mundo com mais de 100 milhões de habitantes que optou pela construção de um sistema nacional universal público de saúde”, lembra.Ao final da conferência, a Declaração do Rio oficializará o compromisso político dos países signatários na redução das desigualdades no acesso a serviços de saúde e na promoção de melhores condições de vida.  Na prática, os países se comprometerão a intervir sobre as desigualdades sociais que limitam o acesso de populações a condições essenciais à vida, como habitação, alimentação e água.